Qual é o futuro do supply chain e como as empresas devem se preparar?

Informação e inteligência. Parece que esses dois atributos nunca foram tão importantes quanto agora para o desenvolvimento dos processos empresariais. As constantes mudanças do mercado, que sofrem influência também da inovação tecnológica, afetarão diretamente o futuro do supply chain.

Acompanhar esses avanços torna a cadeia de suprimentos mais eficiente no controle do estoque, na escolha dos fornecedores ou na análise de custo total dos produtos por exemplo. É preciso estar preparado para investir em avanços tecnológicos que tornem mais simples e eficientes as tarefas complexas e que deem a sua empresa uma real vantagem competitiva.

O gerenciamento inteligente do supply chain é fundamental para reduzir os riscos do negócio, garantir melhores preços para os insumos, trabalhar com fornecedores confiáveis e tornar seu processo de produção mais eficiente. Ou seja, vital para a tomada de decisões assertivas e estratégicas.

Gestão de fornecedores na otimização de negócios

Uma solução de futuro que já deveria estar implantada há muitos anos — mas que a maioria das empresas ainda não utiliza — é o cadastro único de fornecedores em um sistema padronizado. A informação deve estar acessível a todas as áreas relevantes. Isso inclui licenças, alvarás, informações sobre análises de riscos, crédito, compliance e contratos fechados.

É um bom começo para quem pretende selecionar os fornecedores mais estratégicos ou de menor risco — aqueles que não têm problemas financeiros, não arriscam a sua cadeia produtiva com atrasos nas entregas. Mas, mais do que ter a informação, é saber o que deve ser avaliado na formação e gestão da sua cadeia de suprimentos. Por isso, foi dito que informação e inteligência são cruciais — e talvez as tendências mais importantes para o futuro do supply chain.

Há soluções capazes de fazer a avaliação da qualificação dos fornecedores, possibilitando essa análise completa de forma rápida, padronizada, assertiva e detalhada. Tudo isso para reduzir ao mínimo os riscos para a sua linha e auxiliar na tomada de decisões.

Racionalização dos fornecedores

Esse é um ponto que está diretamente ligado ao primeiro do qual falamos. Gerenciar bem a sua rede de fornecedores ajuda a verificar em que segmentos há empresas demais atuando como parceiras do seu negócio, quais áreas têm fornecedores em falta, entre outros.

É preciso avaliar não só quantos fornecedores você precisa para cada departamento, mas também com qual deles você tem mais vantagens, como custos mais competitivos ou maior solidez financeira. É o tipo de informação que ajuda a conhecer o nível ideal de risco e custo da sua base.

Uso de dados para previsão de demandas

Como conseguir identificar tendências por meio de uma quantidade muito grande de informações disponíveis? A resposta a isso está ligada diretamente ao uso de Big Data e Machine Learning. Essas ferramentas permitem às empresas ter uma base maior de dados sobre seus fornecedores e seus clientes.

É possível fazer análises preditivas do comportamento de um parceiro, baseada não apenas no balanço do último ano, mas em situações que estão acontecendo nesse momento. Se há problemas de atraso de pagamentos, por exemplo, isso se refletirá na deterioração do score daquela empresa.

Essas informações — quando relacionadas em um cadastro único, com acompanhamento próximo e atualizado desse tipo de dados — aproximam o seu negócio dos fornecedores, ajuda na identificação de novas oportunidades e na redução de riscos. A antecipação dessas tendências permite alcançar decisões inteligentes relacionadas tanto a fornecedores quanto a clientes.

Isso é gerenciar completamente os riscos, possibilitando que a tomada de decisão para substituir um parceiro que pode dar problemas à sua linha de produção seja eficaz.

Otimização do capital de giro

Colocar o foco na redução de custos com fornecedores está indiretamente ligado ao que mencionamos sobre usar relatórios inteligentes na gestão da sua cadeia de suprimentos. Ao conhecer informações detalhadas sobre as empresas parceiras do seu negócio, você consegue selecionar parceiros que permitam uma melhor adequação ao seu fluxo de caixa.

Dessa forma, você reduz os custos da sua operação, otimiza o capital de giro e traz um resultado direto para o bottom line (lucro líquido) da empresa.

Visibilidade estratégica do negócio

Essa é uma tendência relacionada ao setor de compras e que deve ser uma prioridade: trabalhar próxima ao negócio, sem se isolar, preocupando-se apenas em comprar cada vez mais barato. É necessário que haja uma visão ampla e estratégica da empresa, nos mais altos níveis.

O setor de compras deve estar alinhado ao planejamento estratégico da empresa. Ele deve saber quais são os rumos de toda a cadeia de suprimentos, para que possa atuar de forma colaborativa.

Isso também vale olhando para fora da empresa: inovar e colaborar com os fornecedores é parte do futuro do supply chain e de todo o mercado. É preciso que se crie um ambiente em que haja real parceria, e que o fornecedor pense em soluções para os problemas da sua empresa — e vise-versa.

Blockchain e contratos inteligentes

Esse tópico aborda as grandes inovações tecnológicas que impactarão o supply chain. Algo que ainda não é adotado pelo mercado, mas que tornará as transações mais seguras, reduzindo o custo delas. Essas novas tecnologias permitirão a identificação de fornecedores idôneos, independentemente do lugar no mundo onde eles estejam instalados, de forma confiável e mais simples

Atualmente, por exemplo, se você precisar identificar a idoneidade de um fornecedor na China para fechar negócio, terá de entrar em contato com alguma empresa que já conheça naquele país e pedir para que ela cheque as informações por você. Ou contratar uma empresa como a cial D&B, que entrará em contato com o escritório na China e pedirá a análise da empresa, fornecendo um relatório.

Com o blockchain, será possível separar o joio do trigo de forma mais rápida e segura, pois o processo de checagem é distribuído. Isso significa que várias pessoas vão atestar que aquela é uma informação válida ou não.

Para entender: blockchain é uma espécie de base de dados em que as informações são validadas por criptografia, formando uma corrente a cada dado adicionado, criando um histórico imutável de informações inseridas naquele cadastro.

O futuro do supply chain, na verdade, já começou. As empresas que conseguirem alcançar esse nível de gerenciamento de sua cadeia de suprimentos tendem a obter resultados melhores, garantindo um crescimento saudável e uma gestão mais estratégica.

Para continuar acompanhando assuntos que ajudam a identificar novas oportunidades de negócios e reduzir os riscos comerciais, siga-nos no Facebook, no Linkedin, no YouTube e no Twitter.

Cial D&BQual é o futuro do supply chain e como as empresas devem se preparar?

Posts Relacionados

KPIs de suprimentos: quais são os principais e como acompanhar?

William Deming, estatístico americano, disse certa vez que “aquilo que não é medido não pode ser gerenciado”. Essa importante constatação nos faz perceber a relevância de se monitorar o desempenho empresarial, em especial os indicadores de suprimentos. Acompanhar a eficiência da cadeia de suprimentos é uma estratégia vital no atual contexto de mercado, uma vez que

8 habilidades imprescindíveis de um gerente de compras

Em um mercado cada vez mais globalizado e dinâmico, o gerente de compras tem se tornado um profissional estratégico e fundamental para o desenvolvimento de uma organização. Por ser a principal conexão do negócio com outras empresas, a sua atuação deve ser extremamente eficiente. Dentro de um contexto de otimização de custos, quando um gerente