9 passos para qualificar seus fornecedores

A matéria-prima é o início de todo o processo de fabricação. A partir dela, um produto final é disponibilizado no mercado. Sendo assim, muitas companhias geralmente dependem de empresas terceirizadas que atendam satisfatoriamente às suas necessidades — seja na produção, seja na revenda de mercadorias.

Qualquer tipo de falha nessa etapa pode afetar diretamente a produtividade em seus processos internos, tanto produtivos quanto administrativos. Confira 9 passos que permitem avaliar a qualificação de fornecedores para que você decida quem é o melhor para estar no seu negócio!

1. Confira a qualidade e a legalidade

A notoriedade da sua empresa no mercado depende bastante da qualidade dos produtos entregues pelo fornecedor. Afinal, são os insumos recebidos que dão origem à mercadoria final. Essa, por sua vez, precisa atender positivamente às necessidades do consumidor a fim de fidelizá-lo.

Portanto, antes mesmo de assinar o contrato, é importante solicitar uma amostra do material a ser comercializado para iniciar o processo de seleção. Avalie se aquela matéria-prima estabelece os parâmetros necessários que atestem a sua qualidade.

Considere também verificar se a empresa fornecedora e o seu material ofertado estão regulados e regulamentados conforme requisitos de caráter legal. Alguns exemplos são a licença de funcionamento e as certificações específicas da área (OHSAS 18001, PNQ, ISO 9001, entre outros).

Para confirmar a veracidade das informações, é aconselhável visitar a empresa fornecedora. Realizar uma pesquisa in loco possibilita entender melhor essa empresa, observando todo o ambiente interno, sua infraestrutura e as condições de trabalho dos funcionários.

2. Compare o preço

Esse é o momento de verificar o seu planejamento financeiro para saber quanto a sua empresa está disposta a investir nessa parceria. A qualidade do material fornecido não é importante se o custo inviabiliza o seu negócio. É preciso que o produto final cubra os custos de produção e, ainda, dê condições para estipular uma margem de lucro.

Entretanto, para muitas empresas, o menor preço é sempre um dos critérios decisivos de seleção que dispensa outros fatores cruciais a serem observados. Isso é um grande risco, pois a qualidade e o prazo também precisam ser considerados para que o barato não saia caro.

Procure avaliar as condições de pagamento e a possibilidade de descontos no serviço. Compare o preço com o dos concorrentes e veja qual negócio seria mais vantajoso.

3. Analise os serviços e os prazos

Não é uma boa prática contratar um fornecedor pelas condições facilitadas de pagamento ou pela qualidade e legalidade dos insumos se os materiais chegam atrasados. Isso compromete diretamente toda a execução das atividades da organização. O mais importante é assegurar que a entrega dos materiais obedecerá ao prazo.

Além da entrega das encomendas em tempo hábil, alguns fatores podem valorizar muito o serviço do fornecedor. Por exemplo, a troca de produtos defeituosos, a facilidade de comunicação com o cliente, a integridade das mercadorias na entrega, entre outros.

4. Cheque a flexibilidade

Atrelada à capacidade de prestar os serviços com qualidade, é preciso saber se a fornecedora conduziria as suas atividades conforme a demanda exigida naquele momento. Em determinadas épocas do ano, pode ser que a quantidade de insumos precise aumentar ou diminuir.

Portanto, para realizar essa parceria, é fundamental que a empresa fornecedora tenha a capacidade de se adaptar às mudanças que norteiam o mercado. Ela deve facilitar toda e qualquer solicitação requerida pelo cliente.

5. Consulte o histórico

Mesmo conhecendo todo o serviço, a qualidade dos produtos e o preço, é crucial avaliar a reputação da empresa. Portanto, procure se informar sobre o tempo em que o fornecedor está atuante no mercado e quais são os profissionais que compõem sua gerência e diretoria.

Veja também se ele tem algum tipo de destaque na mídia, como premiações em seu segmento de atuação.

6. Pesquise sobre posicionamento

Para identificar a possibilidade de contratação do serviço, é importante também se certificar de que a empresa compartilha das mesmas ideias que a sua organização. Por isso, saiba qual é a missão, os valores e a visão do fornecedor. Essa é uma forma bastante eficaz de verificar se todos objetivos estão alinhados com os da sua companhia.

Entenda que, ao estabelecer uma parceria na qual os dois seguem a mesma linha de pensamento em seus processos, a comunicação flui melhor e o andamento das atividades ocorre de maneira produtiva, com o mínimo de conflitos e outras divergências.

7. Converse com clientes

Obtendo essas informações, é hora de conferir se a empresa é bem avaliada por seus clientes. Afinal, eles comprovam se os serviços priorizam o tempo de entrega e são realmente de qualidade.

Portanto, procure entrar em contato com os atuais clientes do fornecedor para colher depoimentos que auxiliem na sua decisão. Você pode agendar uma conversa com esses clientes para que eles abordem os pontos positivos e negativos dessa parceria. A partir disso, avalie as forças e as fraquezas das empresas orçadas e selecione a melhor para a sua organização.

8. Confira o nível de atualização

Em um mercado cada vez mais competitivo, é natural que empresas desatualizadas percam notoriedade. A globalização e as inovações tecnológicas trouxeram novas ferramentas de gestão e outras formas de trabalho que proporcionam melhor produtividade na execução de seus processos internos, para obter lucros ainda maiores.

Sendo assim, se um fornecedor apresentar soluções práticas e econômicas para os seus clientes com a qualidade que ele merece, possivelmente a sua empresa comprará um determinado produto em maior quantidade e até mais barato, por exemplo.

9. Não se esqueça da saúde financeira

Antes de oficializar a parceria, é importante observar se a empresa está bem financeiramente. Isso permite a realização de contratos de longo prazo sem que o cliente corra o risco de sair lesado no futuro. A estabilidade financeira do fornecedor é significativa para assegurar a qualidade na execução de produtos e serviços aos seus contratantes.

Em suma, pode-se dizer que o processo para qualificação de fornecedores deve ser sistêmico. Ele precisa obedecer certas etapas para que os serviços sejam prestados da melhor forma possível e, consequentemente, garanta produtos de qualidade para seus consumidores finais. Compartilhe este post nas redes sociais para que a sua rede de contatos tenha acesso aos nossos conteúdos!

Cial D&B9 passos para qualificar seus fornecedores

Posts Relacionados

Fornecedores dropshipping: como negociar?

Como driblar o impacto dos custos de logística no mercado brasileiro se eles representam quase 13% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, considerando transporte, serviços administrativos, armazenagem e estoque? O índice, apresentado pelo Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos), parece ainda mais alto quando comparado ao dos Estados Unidos (7,8% do PIB). O

Futuro do Supply Chain: digitalização para mais eficiência

A transformação digital e as novas tecnologias utilizadas pela Indústria 4.0 vêm modificando a forma de fazer negócios, assim como a cadeia de suprimentos. O futuro do Supply Chain está sendo moldado a partir do uso de uma série de plataformas e aplicativos que combinam a Internet of Things (IoT) com a Inteligência Artificial (AI), blockchain e o